A creative’s guide to Lisbon +



A creative’s guide to Lisbon
Lisboa em destaque no Creative Boom.

The British Library Releases 570 Pages of Leonardo da Vinci's Manuscripts Online
As 570 páginas do Codex Arundel, um caderno de anotações escritas e desenhadas de Leonardo da Vinci, digitalizadas e partilhadas pela British Library, aqui.

On Fire
O Pedro Gadanho voltou a escrever no seu blogue.

O Templo Romano de Évora em "obras" 146 anos depois
O arqueólogo António Carlos Silva percorre a história da restauração do Templo Romano de Évora, erradamente popularizado como Templo de Diana, levada a cabo há quase um século e meio.

Amazing Instagram Feeds for Sketching
Bob Borson, o senhor do Life of an Architect, dá a conhecer páginas de Instagram dedicadas a partilhar esquissos de arquitectura.

This video shows you how to hand-letter like an architect
Como escrever à arquitecto que nem um pro. Não se afigura nada fácil.

The Architecture of Video Games
Martin Gaston, no White Noise, sobre o modo como os videojogos procuram capturar a alma de cidades imaginárias.

Everything You Never Thought You Needed to Know About Pipe-Weed in Middle-Earth
Tudo o que precisam de saber sobre o cultivo e utilização do tabaco da Terra Média. Aquelas coisas que verdadeiramente interessam…

Na encruzilhada da Porto Editora
Vivemos num país em que os olhos e os ouvidos das crianças são todos os dias agredidos por modelos formatados que estiolam a sua imaginação narrativa (telenovela) ou pervertem qualquer saudável educação sexual (reality TV). Em todo o caso, há décadas — sublinho: décadas — que não ouvimos um pedagogo, muito menos um político, a levantar a mais tímida dúvida sobre o matraquear quotidiano de tais objectos. Seja como for, uns caderninhos azuis, outros cor de rosa, são motivo duma agitação completamente deslocada. João Lopes, brilhante, como sempre, no Sound+Vision.

"Largo mulher e filhos e de joelhos vou te seguir"
Ainda João Lopes, desta feita sobre a pequena polémica em torno da mais recente música de Chico Buarque.

Agenda: fotografia e cinema

Duas iniciativas em destaque esta semana, a não perder: a sessão de Homenagem a Baptista-Bastos na Cinemateca, já esta quarta-feira às 19h00, e a abertura da exposição Fernando Guerra: Raio X de uma prática fotográfica, na Garagem Sul do CCB, que estará patente até ao dia 15 de Outubro.



Baptista-Bastos (1933-2017), jornalista, cronista e escritor sobejamente conhecido, cruzou-se cedo com o cinema quando assinou a coluna de crítica “Comentário de Cinema” n’ O Século Ilustrado, de que foi subchefe de redação aos 16 anos. A sua cumplicidade lisboeta com Fernando Lopes, com quem colaborou na RTP e de quem era amigo chegado, confunde-se no entanto com as suas incursões no cinema português. Sobre ela, escreveu o próprio em 1996 para o catálogo da Cinemateca Fernando Lopes por Cá, “Dissertação sobre o Ofício da Amizade”. Vale a pena lê-lo, sobre a amizade, o cinema, a experiência de BELARMINO, em que Lopes o filmou a entrevistar Belarmino Fragoso. “[…] O nosso ‘gentleman’s agreement’ não exigia total aceitação das ideias de cada qual; mas implicava, pelo menos, a sua compreensão e discussão. Deixando-se de compreender e de discutir, a validade da união tornava-se ambígua e inútil por insubstancial. Éramos quantos? Fomos todos. [….]”. É com BELARMINO e AS PALAVRAS E OS FIOS, de Fernando Lopes, que evocamos Baptista-Bastos, na próxima quarta-feira, numa sessão de homenagem na Sala M. Félix Ribeiro, às 19h.



A fotografia de arquitetura ganhou, com o novo milénio, uma preponderância exponencial na relação dos arquitetos com a sociedade. O escritório FG+SG tem assumido os desafios da mediatização da arquitetura, sendo hoje uma prática fotográfica premiada e reconhecida internacionalmente. A afirmação progressiva de Fernando Guerra tem acompanhado a produção arquitetónica contemporânea e as suas reportagens fotográficas, difundidas a uma escala global através da plataforma virtual Últimas Reportagens, constituem um ponto de vista privilegiado sobre a arquitetura de hoje. Por outro lado, a sua prática fotográfica responde à evolução técnica do campo da fotografia nas últimas décadas, marcada essencialmente pela afirmação dos novos meios digitais. Esta exposição apresenta o trabalho autoral de Fernando Guerra atravessado por uma cartografia da atividade do escritório FG+SG, convocando o seu arquivo de imagens e evidenciando os seus processos de produção. Mostrando a obra fotográfica e os seus modos de fazer, a prática de Fernando Guerra é assim exposta como que submetida a um Raio X.

Dos algoritmos enquanto construtores de mundos


Imagem: Javier Jaén.

No dia 19 de Dezembro de 2013 o conhecido blogger Jason Kottke decretava a morte dos blogues, sinalizando o declínio social e mediático da blogosfera perante a ascenção das redes sociais.

O aparecimento das plataformas globais de comunicação em rede, tais como o Facebook ou o Twitter, ditou muito mais do que o ocaso do fenómeno blogue. Mais do que a sua perda de relevância enquanto lugar de produção de conteúdos, até aí com grande expressão nos agregadores de informação da rede, estava em causa o declínio do formato cronológico invertido que se havia tornado quase universal na internet partir de 1997, em benefício da adopção de algoritmos automáticos de selecção de conteúdos.
Esta alteração de paradigma viria configurar uma profunda revolução na forma como nos relacionamos com a informação no mundo online. Neste novo ecossistema da internet os conteúdos são valorizados sem interacção humana directa tendo por base um grande conjunto de variáveis: o número de “gostos”, comentários e partilhas de uma publicação, mas também inúmeros factores de selecção e quantificação só conhecidos para os proprietários destas plataformas.

Nesta paisagem corporativa da comunicação global sistemas complexos de análise de dados categorizam os utilizadores definindo o seu perfil específico, seja a partir das coisas que escrevem, gostam e partilham, mas também a partir da rede de amigos que construíram, das páginas que subscrevem e até dos sítios que simplesmente visitam (onde o perfil da rede social seja usado como forma de registo ou identificação).
Sendo capazes de estabelecer um retrato particular de cada utilizador, abrangendo campos muito diversos do seu universo de interesses, as redes sociais conseguem também oferecer uma experiência de utilização específica, diferente para todos e dedicada a cada um de nós. Desta forma, os algoritmos tornaram-se muito mais do que meros auxiliares de selecção e valoração de conteúdos num mundo saturado de informação. Em boa verdade os algoritmos são agora verdadeiros construtores de mundos, capazes de fabricar bolhas individuais onde vemos cada vez mais aquilo que queremos ver mas onde nos é filtrada a diversidade da realidade exterior. Trata-se de um fenómeno sem precedentes cujas implicações culturais à escala global são ainda desconhecidas e difíceis de prever.

Tendo presente este cenário emergente torna-se particularmente preocupante verificar que a maioria dos utilizadores das redes sociais – mais de 75% no caso do Facebook – desconhece que os “murais” de leitura são automaticamente filtrados por algoritmos e apenas uma pequena minoria sabe utilizar os mecanismos de edição dos parâmetros de visualização. Está em causa não apenas aquilo que nos é dado a ver mas também as publicações que nos são ocultadas segundo critérios que desconhecemos e sobre os quais não dispomos de qualquer possibilidade de escrutínio.
Temos assim que a este desconhecimento generalizado se soma a opacidade que as plataformas de social media assumem relativamente ao modo como processam a informação pessoal e social dos utilizadores. Afinal, apenas o Facebook, e mais ninguém, sabe como o seu algoritmo escolhe as “melhores histórias” e oculta o que não nos quer dar a ver.

O que está em causa na transformação profunda que teve lugar na internet na última década é um grave abandono do factor humano na curadoria do conhecimento sobre o mundo que nos rodeia. Vivemos rodeados de filtros digitais que nos proporcionam “redes egocêntricas” e nos gratificam a cada passo. Se os blogues eram um deserto, as redes sociais são um laboratório de optimização de interacções. Eis o último estágio do capitalismo aplicado à nossa vida social: um poderoso sistema de estímulos que proporciona “gostos” instantâneos e partilhas fáceis, mas que oculta os mecanismos, os motivos e os interesses que estão por detrás do “mural” que coloca em frente aos nossos olhos.

O estranho caso de Salvador Sobral




Alguém que começa e acaba o dia com uma máquina ligada ao coração. Com data marcada para uma operação que decidirá a vida inteira e onde, mesmo que tudo corra bem, não deixará de prevalecer a incerteza de tudo o que virá depois. Presumo que lhe reste uma de duas atitudes: ou se entrega à depressão ou brinca com tudo isto.

O Salvador parece ter escolhido a segunda opção. Estranha ironia que o reconhecimento do público, a celebridade e a fama sejam o destino desejado de quase todos os artistas, ou de todos nós. E ei-lo chegado tão jovem a esse lugar raras vezes atingido com a lucidez implacável que não deixa de assinalar o metrónomo que lhe auxilia o bater do coração.

Que estranho e mágico lugar deve ser a vida do Salvador Sobral. Que estranho lugar será esse, onde os dias mais felizes da tua vida podem ser também os piores dias da tua vida. Antes de brincar com a sua frágil humanidade cantava as palavras da Joni Mitchell, que estás no meu sangue como vinho sagrado, tão amargo, tão doce.

Hão-de existir sempre aqueles que estão prontos a ceifar os artistas num momento de vulnerabilidade. Não percebem que os artistas são aqueles que oferecem sempre o que têm de mais frágil, aquilo que todos os outros, todos nós, escondemos do mundo. Venham de lá as hordas indignadas, venham de lá com os vossos escândalos. São a espuma de coisa nenhuma.

O mar é lá longe.

Tatiana Bilbao: The House and the City



A Harvard Graduate School of Design tem vindo a partilhar um conjunto de conferências que vale a pena acompanhar, merecendo destaque a palestra de Kenneth Frampton sobre a arquitectura contemporânea nos países com economias de mais rápido crescimento, em particular a China.
No vídeo acima podem assistir à recente apresentação de Tatiana Bilbao, arquitecta sediada na cidade do México, dando a conhecer de forma detalhada o seu processo de trabalho, do entendimento do lugar ao cuidado com a materialidade dos processos de construção, procurando criar espaços humanizados capazes de auxiliar o desenvolvimento cultural e económico das comunidades em que se inserem.

”The House and the City”, conference with Mexican City based architect Tatiana Bilbao for The Harvard Graduate School of Design. Tatiana Bilbao, through the work of her multicultural and multidisciplinary office based in Mexico City, attempts to understand the place that surrounds her and to translate its rigid codes into architecture. As a reaction to global capitalism, the studio aspires to regenerate spaces in order to humanize them and to open up niches for cultural and economic development.